Adoção - mais um passo, menos um passo ;)

29 junho 2015
Como sempre tem gente que me pergunta sobre a quantas anda o nosso processo de adoção, é sempre melhor falar aqui no blog do que contar de um em um ;)

Acho que o último post foi sobre a entrega dos documentos. Pois bem... nós entregamos a documentação em 29 de abril e nos pediram 5 dias úteis para retornar ao cartório para pegar o número do processo para acompanhamento, que pode ser feito diretamente no site do Tribunal de Justiça aqui do Rio. Como tivemos alguns contratempos, acabamos por deixar passar mais uns dias, e quando Renan foi lá pra conferir, já tinha passado pelo Ministério Público e pelo juiz, de modo que nosso próximo passo seria a avaliação pela equipe técnica. Ficamos super otimistas, porque com 15 dias de documentação entregue, e seguindo o que lemos muito em grupos virtuais sobre a demora do processo, o nosso ia bem!

E, de fato, aqui no Rio de Janeiro (pelo menos na comarca da Praça Onze) as coisas andam a toque de caixa, apesar de toda a dificuldade de trabalho que a equipe técnica encontra. Em dois meses de processo, nós já andamos pelo MP, pelo Juiz, pela Psicologia (até agora, foi onde o processo ficou mais parado) e, por fim, estamos na fase da avaliação pela equipe técnica, que aqui no Rio é constituída por duas etapas: entrevista e visita domiciliar.

A nossa visita domiciliar ainda não aconteceu, mas já passamos pela entrevista  e o que eu posso dizer é que é "tenso". Entre aspas mesmo, porque uma vez que a gente só diz a verdade, não tem porque ficar nervoso. É tenso no sentido de toda a ansiedade que cada passo do processo de habilitação à adoção envolve. Se pudéssemos fazer um comparativo com a gravidez, é como se cada etapa fosse um período fértil no qual você tenta e fica naquela tensão de "conseguimos ou não conseguimos?". E, felizmente, conseguimos! A entrevista, com a gente, funcionou assim: primeiro eu fui chamada pela equipe (que é formada pela psicóloga e pela assistente social), depois Renan foi chamado e, por fim, nós dois fomos entrevistados juntos.

E elas perguntam TUDO! Perguntaram sobre minha estrutura familiar, porque nós chegamos ali, se somos de badalação, se nossos amigos têm filhos, como a família reagiu à notícia da intenção da adoção, como eu e Renan nos conhecemos, se eu pretendo contar ao meu filho adotivo sobre como ele chegou até nós... e pro Renan as coisas seguiram pelo mesmo caminho. Cada entrevista durou em média meia hora. Se eu achei ruim? Claro que não! Essa sabatina é realmente necessária, posto que as crianças já vem de um histórico de rejeição e negligência e realmente precisam de pais que as amem. Por isso, essa etapa da avaliação é importantíssima. Claro que na hora dá aquele nervosinho de "mais um passo sendo dado", e eu tive muita vontade de chorar quando saímos da entrevista... mas tudo o que eu fiz foi agarrar Renan no meio da Av. Presidente Vargas e dar uns pulos de alegria, rsrsrsrsrs.

Agora estamos aguardando a visita da Assistente Social, que será na próxima quarta-feira. O coração está a mil, claro! Terminando essa etapa (que eu acho a mais importante), já teremos passado da metade do caminho! Será que nosso nome vai pro Cadastro até o Natal?

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Boa sorte no processo de vcs! Beijos, Lu ;) www.gravidezinvisivel.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Luciane!!!!! Beijos! <3

      Excluir
    2. Obrigada, Luciane!!!!! Beijos! <3

      Excluir



Feito com ♥ por Lariz Santana